Kitchen Nightmares

Rodrigo Hilbert assinou contrato para ser cozinheiro.

Rodrigo Hilbert assinou contrato para ser cozinheiro.

Cada vez mais parecido com o Fox Life, o GNT tem investido aborrecidamente em programas de culinária “fora da caixinha”.

A segunda temporada de “Tempero de Família”, estreia da semana passada, dá bem o tom da inovação buscada pelo canal.

Para quem não sabe, o chef do programa não é um chef. É um apresentador que ninguém sabe como é considerado apresentador por alguém. Falo, claro, de Rodrigo Hilbert, modelo que faz, também, umas pontas como ator.

Muito simpático, ele sempre abre o programa explicando o contexto das receitas do dia a dia. Na ocasião do episódio, ele foi incumbido de preparar os quitutes da festa de aniversário do filho dele.

Antes da chegada à cozinha, devidamente ornamentada para parecer uma dependência de fazenda velha, as imagens fizeram questão de valorizar as poucas crianças convidadas para cantar parabéns, selecionadas a dedo para representar cada descendência presente no Brasil – ou aquilo era figuração ou o pessoal furou o convite.

A primeira criação do episódio foi a massa do pastel de carne. Acompanhado pela mãe, Hilbert fez questão de fazer tudo sozinho. Desde a mistura dos ingredientes até o manuseio da massa.

Bastante natural em sua função, algo raro neste formato, o aventureiro das panelas consegue criar um estilo dentro da curta duração do programa – 30 minutos somados os comerciais. Algo que falta para a equipe de edição e pós-edição.

Sob a ótica de quem precisa anotar todo o desenrolar da receita para poder executá-la, a sensibilidade de Rodrigo Hilbert é quase inútil, pois não existe um acompanhamento adequado do gerador de caracteres. Quem derrubou a caneta no chão perdeu o fio da meada com toda a certeza. Nem notou, por exemplo, que o cardápio trazia ainda cajuzinho, brigadeiro, risole e bolo.

Fernanda Lima, esposa do promoter e mãe do dono da festa, apareceu no fim da gravação para comer docinhos e cantar o “parabéns”, válido para o aniversariante e para o telespectador que aguentou tudo sem mudar de canal ou apelar ao delivery. 

Anúncios

O que você não deve assistir no fim de semana #17

Steve Jobs: inventou o iPhone para ser chamado de hippie.

Steve Jobs: inventou o iPhone para ser chamado de hippie.

A lista dos piores programas do fim de semana é igual à Dilma Bolada: chapa quente.

Branca de Neve e o Caçador
Sábado, 19h40, Telecine Pipoca

Por que não assistir? As releituras modernas das fábulas infantis apostam basicamente na exuberância visual e nos intérpretes de cachê elevado. Kristen Stewart é inerte. Charlize Theron é caricata. Chris Hemsworth parece um mocinho de novela do Benedito Ruy Barbosa.

Pearl Harbor
Sábado, 22h, Telecine Touch

Por que não assistir? O filme é mais destrutivo que o ataque arquitetado pelos japoneses em 1941, tema da história.

Steve Jobs: um hippie bilionário
Sábado, 22h, GNT

Por que não assistir? A morte de Steve Jobs suscitou dezenas de documentários e livros. Pior que a biografia liderada por Ashton Kutcher é este vídeo, que relaciona a filosofia hippie a sua fortuna.

O Rappa – Ao Vivo
Sábado, 22h30, Multishow

Por que não assistir? É O Rappa.

Universidade Forense
Sábado, 23h24, Discovery Science

Por que não assistir? Espécie de “Linha Direta” para aprendizes dos Estados Unidos.

O que você não deve assistir no fim de semana #16

Olivier Anquier comanda "Cozinheiros em Ação".

Olivier Anquier comanda “Cozinheiros em Ação”.

A lista dos piores programas do fim de semana foi ao céu checar o estoque de pão.

O saldo está disponível abaixo.

Cozinheiros em Ação
GNT, sábado, 11h00

Por que não assistir? Olivier Anquier, o colecionador de fuscas, brincando de Gordon Ramsay. Uma tijolada na testa dói menos – e tem o plus de não oferecer um sotaque arrastado e feio.


Informerciais da Gazeta

Gazeta, sábado, 12h00

Por que não assistir? A Gazeta vende a programação de sábado quase inteira. Ninguém dá muita bola porque as pessoas só sintonizam ela quando são acometidas por espasmos. Em vez de exibir esses conteúdos independentes numa boa, aproveitando a própria irrelevância, algum espertalhão resolveu inserir umas matérias durante o varejão, para entreter o telespectador, aqui apelidado de sujeito oculto. A Gazeta não aprendeu nada com o 1406.


A Saga Molusco: Anoitecer 

Telecine Premium, sábado, 15h20

Por que não assistir? Crepúsculo é o fim da picada. Todos concordam com isso. Errar a mão na sátira de um filme ruim é o fim da picada vendido na loja dos exageros, em Itu. E, sim, todos concordam com isso. Ou deveriam concordar.


Bizarrices – Unhas humanas

Discovery, sábado, 14h10

Por que não assistir? Parece que o Discovery pegou a mesma gripe do National Geographic. Só exibe reality shows disfarçados de documentários. Este, por exemplo, faz cosplay do Zé do Caixão. Aquelas fitas de “Ushuaia” fazem falta.


Motoqueiro Fantasma 2
Telecine Pipoca, sábado, 22h00

Por que não assistir? Nicolas Cage.

O que você não deve assistir no fim de semana #11

Rowan Atkinson: sempre a mesma expressão.

Rowan Atkinson: só tem uma expressão.

“O Guru do Sexo”
TBS, Sexta, 23h10

Por que não assistir? Infeliz contratado para ser garçom é confundido com guru e começa a dar dicas de sexo para a galera. É praticamente uma deixa do “Metrô Zorra Brasil”.

 

“Johnny English”
TNT, Sábado, 15h15

Por que não assistir? É o Mr. Bean tirando sarro do James Bond. Poupe a sua vida.

 

“Cê Faz o Quê – Professores”
Multishow, Sábado, 17h00

Por que não assistir? Miá Mello, a autista-humorista mais feliz do Brasil, vai atrás de professores para saber O QUE ELES FAZEM (!!).

 

“GNT Fashion – Dia dos Pais”
GNT, Sábado, 21h00

Por que não assistir? Pai nenhum do mundo merece ouvir dicas de moda da Lilian Pacce, a apresentadora que parece um Mc Wrap.

 

“Cavalo de Guerra”
Telecine Premium, Domingo, 23h50

Por que não assistir? História de um garoto que se alista à guerra para recuperar seu cavalo, vendido à cavalaria inglesa. Spielberg precisa comer um chocolate. Tomar um sorvete. Conversar com um amiga. Dar um jeitinho nesse melodrama perverso.