O palanque do Jô

Divulgação

Marina no “Programa do Jô”, Dilma no “Programa do Ratinho”. Próximo passo é Aécio Neves no show do João Kléber.

A participação de Marina Silva no “Programa do Jô” lançou um novo formato para a TV brasileira: o talk show eleitoral gratuito.

As perguntas do apresentador e das jornalistas que formam “As Meninas do Jô” pareciam ter a suprema e inabalável função de promover a ex-senadora, que acabou de se filiar ao PSB de olho na eleição presidencial de 2014.

A moleza dos entrevistadores propiciou a mais aborrecida sequência de frases feitas do ano.

Questionada sobre as intenções eleitorais, Marina lançou um blasé “eu não tenho como objetivo de vida ser presidente da República. Tenho como objetivo de vida um país melhor e um mundo melhor.”

Sobre objetivos, anunciou a máxima “aposentar a velha República e chamar a nova República”, repetida desde a época em que Eduardo Suplicy era new age.

Em relação à estratégia de governo, emulou o PMDB para concluir que “os ganhos da política econômica de FHC devem ser ampliados, assim como os ganhos da política social do Lula”.

Como um Pokémon, a provável vice (ela não confirmou sua posição na chapa de Eduardo Campos) repetia a cada 60 segundos as deixas “ativismo”, “reivindicação”, “mobilização”, “desenvolvimento sustentável”, “juventude”, “agentes”, “nação”, “rua” e “reivindicação”.

Muito ousada, ela formulou, em vários momentos, para deleite de Jô Soares, declarações misturando todas as expressões, casos de “juventude que veio pra rua”, “agente para mudar a nação” e “pauta de reivindicação”.

Antes de encerrar a assessoria de imprensa disfarçada de bate-papo, com direito a lágrimas, elogios rasgados e algum humor de ocasião, Jô pediu à equipe de Marina que “cuidem dela, por favor”.

Do programa dele, ninguém cuida faz muito tempo.

É entrevista

José Roberto de Toledo assumiu o "É Notícia". Emissora estuda o substituto definitivo para Kennedy Alencar, que decidiu dedicar mais tempo ao seu blog.

José Roberto de Toledo assumiu o “É Notícia”. Emissora estuda o substituto definitivo para Kennedy Alencar, que decidiu dedicar mais tempo ao seu blog.

A RedeTV! iniciou ontem, 6 de outubro, o rodízio de apresentadores para o jornalístico “É Notícia”, exibido após o “Dr.Hollywood”.

José Roberto de Toledo, comentarista político da emissora e de “O Estado de São Paulo”, abriu a bateria de testes entrevistando o filósofo Renato Janine Ribeiro, da USP. Em pauta, a eleição de 2014.

Comparado a Kennedy Alencar, que se desligou da emissora após cinco anos à frente do programa, o desempenho em frente às câmeras deixou muito a desejar, como esperado. No que efetivamente interessa, porém, o desempenho foi melhor.

Quem acompanhou o último programa de Alencar testemunhou vários picos de discordância (únicos possíveis, pois o ibope é uma dízima periódica aberta por 0) dele, o entrevistador, em relação à posição de Aécio Neves, o entrevistado, perante o PT.

A insistência do jornalista em contrapor as esperadas críticas do tucano transformou a combatividade em permissividade. Situação desconfortável aos emissores e receptores da mensagem.

Com Toledo, a julgar por esta primeira experiência, disponível aqui, as preferências políticas não prestarão deferência nem à direita (?) nem à esquerda (?) do Brasil. Um passo preciso rumo ao legítimo jornalismo opinativo – o que incentiva contraposições, não posições.

A turma da dízima periódica merece.