O que você não deve assistir no fim de semana #14

Muita cor, pouca qualidade.

Muita cor, pouca qualidade.

O Teleguiado posta toda sexta-feira uma lista com os piores programas transmitidos pela TV no fim de semana.

Você confere os eleitos (?) a partir de agora.
I Could Kill For Dessert
Sexta, 15h, VH1

Por que não assistir?  Os programas de gastronomia estão cada vez mais populares na TV brasileira – sobretudo entre os canais pagos. O excesso de oferta tem motivado os programadores a buscarem formatos diferentes, mais “comportamentais”. “I Could Kill For Dessert” é um desses híbridos desagradáveis. Para apresentar uma receita, a chef precisa desfilar seu estilo (cafona) de vida, compartilhar sua intimidade e sorrir o tempo todo. Ninguém precisa disso para enrolar brigadeiro.

A Novela Das 8
Sábado, 7h15, Telecine Premium

Por que não assistir? O Brasil precisava criar um filme em que sua história (tanto faz qual) fosse contada paralelamente a uma novela. Era uma questão de honra. Um fetiche. Dirigido por Odilon Rocha, “A Novela Das 8” mistura ditadura militar e Dancin Days para preencher esse vazio cinematográfico. O resultado final provou que, na verdade, o Brasil não precisava criar um filme em que sua história (tanto faz qual) fosse contada paralelamente a uma novela.

O Belo e As Feras
Sábado, 18h15, Canal Viva

Por que não assistir? 1) O trocadilho do título. 2) É sitcom brasileiro. 3) É protagonizado por Chico Anysio. 4) Você realmente precisa de um quarto motivo?

Paraísos Artificiais
Sábado, 20h00, Telecine Touch

Por que não assistir? Um garoto e duas garotas vão parar em um festival chamado Shangri-La (poderia ser Gingko Biloba). Influenciados pela música e pela arte, começam a se relacionar de maneira intensa, sem notar que estão mudando o rumo de suas vidas.  Tenho a impressão de que o diretor gostava muito de “Avatar” e “Matrix”. Também tenho a impressão que o fanatismo não fez bem para o filme.

Como Perder Um Homem Em Dez Dias
Domingo, 16h40, tbs

Por que não assistir? Se está em casa, interessada em ver isso, é porque o homem você já perdeu.  Assim, não precisa perder também o tempo.

“Sushi Erótico” marcou a carreira de Faustão

"Sushi Erótico": pico de 29 pontos. Vestido de mendigo, Gugu bateu 33.

“Sushi Erótico”: pico de 29 pontos. Vestido de mendigo, Gugu bateu 33.

O “Domingão do Faustão” de 26 de outubro de 1997 não liderou o ibope. 

Na média, perdeu de 23 a 26 para o SBT, que exibia o “Domingo Legal”.

Apesar da derrota, nenhuma edição do programa obteve tamanha repercussão dentro e fora da Rede Globo.

Com a exibição do quadro “sushi erótico”, em que mulheres serviam de base para o banquete nipônico, Faustão virou tema de um extenso debate sobre os limites para se obter audiência.  

A atração foi transmitida ao vivo, por meio de link, em um restaurante paulistano.

Nair Belo era uma das comentaristas do show. Oscar Magrini e Marcio Garcia, os anfitriões. 

Gugu superou o reality gastronômico desnudo trajando uns trapos, “sentindo na pele” o drama de ser mendigo, mesmo expediente praticado por Rodrigo Faro semanas atrás.

Prova inequívoca de que a TV brasileira não se renova pelo menos desde os anos 1990. 

SBT reprisará mais novelas que o Canal Viva

Professora Helena não teve tempo de descansar.  O SBT decidiu reprisar "Carrossel" poucas semanas após seu encerramento.

Professora Helena não teve tempo de descansar. O SBT decidiu reprisar “Carrossel” poucas semanas após seu encerramento.

Se o Silvio Santos não mudar de ideia, o SBT reprisará, a partir de 2 de setembro, mais novelas do que o Viva, canal lançado pela Globo justamente para este fim.

Enquanto o arquivo do Projac ocupa 5:15 horas da programação do Viva entre segunda e sexta-feira, a fitoteca do Complexo da Anhanguera, bem mais modesta em títulos, preencherá 5:35 horas da grade do SBT com as chegadas de “Carrossel” e “Rebelde”.

Atualmente, o Viva transmite três novelas. As sessões acontecem às 12h, 15h30 e 16h15 e recebem replay às 0h, 1h e 1h45. O colega de trabalho da TV aberta concentra cinco produções entre 14h30 e 19h20 e uma no horário nobre, das 21h15 às 22h.

Além das novelas, o SBT reprisa diariamente 3:45 horas de desenhos animados e cerca de 4 horas de séries. Mesmo os jornais da manhã sofrem com o fenômeno da multiplicação de exibições.

Dez clipes que ninguém sabe como foram parar no Disk MTV

A parada da MTV Brasil era eclética, por isso mais suscetível a deslizes.

A parada da MTV Brasil era eclética e, por isso, mais suscetível a deslizes.

Trote ou demência?

Alguns vídeos fizeram história no Disk MTV, a finada parada da quase finada MTV Brasil, por não terem exatamente a cara da emissora.

O Teleguiado traz os dez mais estranhos. Os dez mais descolados, no sentido pobre da expressão.

Arnaldo Antunes
“Essa Mulher”

A MTV sempre se preocupou com a falta de clipes nacionais em sua parada. Em 2000, fez até campanha para incentivar a audiência a votar nos brazucas. O resultado de tantos apelos apareceu apenas em 2001. “Essa Mulher” é apenas (mais) uma música chata e sem lógica de Arnaldo Antunes, mas, olhe só, o clipe dela chegou ao primeiro lugar no Disk MTV. Transcrevo versinhos da canção: “Ela goza com o sabonete / não precisa de você / ela goza com a mão / não precisa do seu pau”. Who Let The Dogs Out?

Pizzicato Five
“Twiggy Twiggy”

O “Gangnam Style” dos anos 1990 aparecia no Disk para deixar bem claro que os hipsters são anteriores à crise dos tigres asiáticos.

Felipe Dylon
“Deixa Disso”

Provável ex-fazenda (não tive saco pra pesquisar) e forte candidato a novo Rafael Ilha, Felipe Dylon apareceu na MTV em 2003. Em “Deixa Disso”, além de fingir ser cantor, ele tirava a camiseta pra parecer surfista. Muito astuto o rapaz.


Adryana e a Rapaziada

“Tudo Passa”

A Adryana (com y? Aparecida Libertao aprovou?) pediu pra rapaziada ligar no Disk. Os quatro votos garantiram a ela um vigésimo lugar em um Top 20 de fim de ano, quando o critério está morto. Creio que Adryana, hoje, cante em alguma igreja evangélica.


Lara Fabian

“Love By Grace”

“Love By Grace” ficou meses em primeiro lugar nas rádios brasileiras porque a Carolina Dieckmann raspou a cabeça em uma cena de novela embalada por ela. O “melô da leucemia” ganhou um clipe mandrake (o single de Lara Fabian deveria ser “I Will Love You Again”) e habitou o Disk MTV alguns dias, com direito à visita da cantora.


Leonardo

“120,150,200 km/h”

Leonardo sofreu uma operação Eros Ramazzotti pelos idos de 1999. Transformado em cantor pop, ele regravou o sucesso “120, 150, 200 km/h” de Roberto Carlos. A fita do caríssimo clipe, coletânea de tudo que não presta no audiovisual nacional, nunca foi atropelada por um carro a 120, 150 ou 200 km/h, algo para se lamentar.


Mary’s Band 

“Happy Birthday”

O Blink 182 de Osasco cora de vergonha qualquer cidadão do mundo.


Dogão
“Dogão é mau”

Rick Bonadio queria um Nelly. Um Usher. Como não encontrou, recorreu à computação gráfica, em alta desde o Gorillaz. Dogão, conforme o nome anunciava, era um cachorro. Um cachorro doidão por uma cadela. E ligadão em gírias e trocadilhos chulos. Morreu de sarna. Antes, claro, emporcalhou o Disk.


Os Travessos
“Meu querubim”

Chegou a ocupar o 5º lugar no Disk MTV. Marcou a época em que as gravadoras tentavam atrair para o pagode romântico as fãs de Backstreet Boys, Five, Westlife e N Sync.


Jay Vaquer

“A Miragem”

Jay Vaquer é a mistura de Carpinejar, Paulo Coelho e Renato Russo. Ruim demais mesmo para os padrões da década passada.