O melhor trabalho de Leonardo DiCaprio, “Django Livre” chega às lojas em agosto

Versão em Blu-ray traz três extras: "Em Memória  de J. Michael Riva", "Os Figurinos de Sharen Davis" e "Reimaginando o Western Spaghetti". DVD traz apenas o primeiro vídeo adicional.

Versão em Blu-ray traz três extras: “Em Memória de J. Michael Riva”, “Os Figurinos de Sharen Davis” e “Reimaginando o Western Spaghetti”. DVD traz apenas o primeiro vídeo adicional.

Leonardo DiCaprio finalmente poderá esconder “Titanic” embaixo do tapete vermelho.

Em “Django Livre”, filme de Quentin Tarantino que ganhará versões em DVD e Blu-ray a partir de 7 de agosto, o ator demonstrou o talento que Martin Scorsese procurou em quatro filmes sem achar.

O segredo de Tarantino? Entregar a DiCaprio a tarefa de interpretar o carismático e problemático Calvin Candie, fazendeiro adepto da venda de escravos e do uso de alguns deles em sessões particulares de luta, diversão bastante comum no Sul dos Estados Unidos. A possibilidade de viver um vilão frio e descontrolado, um personagem forte de verdade, foi o melhor presente que o ator poderia receber em sua carreira. Um presente muito bem aproveitado, como o espectador notará quando for ao cinema.

A história começa ainda distante do personagem de Leonardo. Caçador de recompensas, o Dr. King Schultz (Christoph Waltz) encontra e compra Django (Jamie Foxx) para que ele o ajude na captura de três fugitivos. Terminada a missão, Schultz finda a relação de escravidão, garantindo a alforria dele. A dupla, cada vez mais afinada no ofício, acaba por não se separar, e decide ir em busca da esposa de Django, encontrada na fazenda de Calvin Candie, “cenário principal” da trama.

Os diálogos entre DiCaprio, Foxx e Waltz, várias vezes acompanhados por Samuel L. Jackson, simbolizam, talvez, o que teremos de melhor no cinema até o fim de 2013. Cada ator representa ao máximo, sem exageros e vícios, os aspectos mais repugnantes e benevolentes de seus personagens, em um legítimo espetáculo falado. O áudio prescinde o vídeo.

Bombardeado pelos excessos racistas do texto e pelas imagens fortes, Quentin Tarantino não merece qualquer linha de desaprovação. Sequências pesadas são realmente comuns nos filmes, mas qualquer mudança visual implicaria em um “perdão” ao que realmente ocorreu. A brutalidade do filme é um trailer do que os negros viveram.

Característica comum nos trabalhos de Tarantino, a trilha sonora de “Django Livre” é bonita e encontra perfeita sintonia com a incrível edição, responsável por manter um filme de aproximadamente 140 minutos em constante estado de tensão.

Sobram belezas e qualidades em “Django Livre”. Presta atenção na violência só mesmo quem não tem imaginação.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s