Batman de Christopher Nolan é o cult da geração medíocre

* Texto originalmente publicado em 2012, após o lançamento do capítulo final da trilogia

 

O que seria do último "Batman" sem Heath Ledger?

O que seria do último “Batman” sem Heath Ledger?

Christopher Nolan é um homem de sorte. Surgiu na vida do homem-morcego após a malfadada “Era Joel Schumacher”, acertou a mão em um filme e já foi apontado por milhões de fãs como o salvador da Pátria. O Messias de Gotham City chegou, camaradas. Ele quer o dinheiro do nosso ingresso e 10% de nosso salário. Em troca, nos livra da hiperinflação de mamilos da gestão anterior. Vale a pena, pessoal!

Nolan é talentoso? É. É um gênio? Não. Jamais será um Coppola. Jamais será Bergman. Jamais será Allen. Comparações exageradas? Ok. Jamais será um Ball. Jamais será Gondry. Fez bons filmes. Nenhum pertencente à trilogia Batman, porém. Amnésia (Memento, 2000) é sua verdadeira obra de arte. “O Cavaleiro das Trevas” é ótimo, difícil escrever o contrário. Mas não pela adaptação em si. E sim por Heath Ledger, que vivia seu auge quando interpretou Coringa. É a hora de parar com as teorias sobre a morte do ator e finalmente reconhecer o óbvio: Heath Ledger é cada minuto de “O Cavaleiro das Trevas”. O filme é inócuo sem ele. A anarquia seria alegórica.

“Batman Begins” é, talvez, o maior trunfo para delinear a inexistência de genialidade no trabalho de Nolan. Em nenhum momento é empolgante, em nenhum momento é verdadeiramente dramático, em nenhum momento sai da mesmice. Tim Burton, descartado pela Warner nos anos 1990 por querer um Batman mais “dark”, grande ironia a esta altura, fez muito mais em seus dois filmes. Porém, ele não era o último da fila. A comparação ficou restrita ao trabalho de Joel Schumacher, o flicts do mal. Aí até Fernando Meirelles poderia se sobressair.

No aguardado capítulo final da trilogia, “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge”, nada de muito empolgante acontece. Tom Hardy fez um Bane burocrático. Não foi capaz de recriar o personagem, tornar ele atemporal, mas foi bem. A Mulher-Gato não estraga a sessão, no entanto é difícil não admitir que Michelle Pfeiffer levava mais jeito. Christian Bale é o Christian Bale de sempre. Olhar perdido, aquela voz rouca  “Antonio Teles” e a expressão de quem precisa urgentemente ir ao terapeuta. As referências geopolíticas da história? Todas muito óbvias, todas muito panfletárias. Pior que pintar de lilás Gotham City é querer torná-la Nova York para reviver, através do homem-morcego, as relações conflituosas dos Estados Unidos nos últimos anos.

Maturidade é bom. Esquecer o universo fantástico, quando falamos de homens fantasiados, pode ser perigoso. A ousadia em replicar a profundidade dos grandes dramas em um personagem como Batman merece registro. Mas é preciso assumir: ela só funcionou em uma ocasião, quando houve um antagonista acima da média. Assim, tornar a trilogia de Christopher Nolan um capítulo decisivo do cinema é menosprezar o cinema. É equiparar o proclamado “cult” de uma geração de filmes medíocres a Coppola. A Bergman. A Allen. A Ball. A Gondry. Comparações que nunca poderão acontecer.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Batman de Christopher Nolan é o cult da geração medíocre

  1. Discordo de você Leandro, eu acho que o Nolan é um gênio sim. A grande sacada dele foi usar o universo de Gotham City e o Batman apenas como isca para levar o telespectador pra assistir um filme sobre o Ser Humano. O Batman dele é acima de tudo um homem, que de machuca, decepciona, desacredita e busca a redenção. Um Batman que perde. O início do terceiro filme deixa claro que o Coringa venceu o antigo Batman, e ele precisou se tornar outro para ressurgir e enfrentar de frente o próprio medo. No meu ver o Bane superou com folga o personagem do Coringa (no contexto do enredo, porque a atuação do Ledger foi uma das coisas mais absurdamente bem feitas que já vi).

    E por fim, reveja o seu título. Dizer que a atual safra de filmes é medíocre é ser no mínimo simplista. Vá a qualquer locadora, e aventure-se nas centenas de filmes em VHS sem qualidade que já foram produzidos. O passado não foi um panteão de grandes cineastas, a única questão é que só os bons sobreviveram até a nossa geração. E eu tenho certeza que a trilogia do Nolan vai fazer isso.

    • Obrigado pelo comentário. Não vou rever o título. A atual safra é medíocre, com beta, VHS, DVD, HD-DVD e Laserdisc.

      • Aliás, complemento o meu comentário anterior sobre a relação Batman-Política com um dado “novo” pra mim: recentemente eu adquiri a edição definitiva de Cavaleiro das Trevas de Frank Miller, uma compilação da obra de 1986 e 2002. E este paralelo entre Gotham e o momento político do EUA em cada uma das situações existe lá também. Como já dito antes, acho válido usar uma cidade/situação fictícia para despertar reflexões.

        Quanto ao seu comentário de resposta, não sei se foi uma analogia sua ou se o fato de eu citar a tecnologia VHS confundiu minha mensagem, mas eu quis dizer que não existe a tal “geração medíocre” no cinema, música ou o que quer que seja. Sempre tem gente boa fazendo um bom trabalho, e o passado nos parece tão romântico por conta de termos acesso apenas ao que se sobressaiu. Mas além de Scorcese, Copolla, Hitchcock e Felini existiam tantos outros bons e ainda muitos mais extremamente ruins.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s